A maioria das redes de supermercado no Brasil ainda usa métodos manuais para gerenciar itens, amargando grandes prejuízos 

Por Cintia Salomão Castro 

Segundo a Associação Brasileira de Supermercados (Abras), somente em 2019, os estabelecimentos tiveram R$ 6,9 bilhões em perdas. Cifra que corresponde a 1,82% do faturamento bruto do setor. Esse montante está relacionado a diversos fatores, como deterioração de perecíveis, artigos que sofrem avarias no transporte, danos na manipulação no próprio supermercado e, principalmente, produtos com validade vencida que logicamente precisam ser descartados.

“Todo esse valor não se deve somente porque o supermercado comprou errado. A soma das perdas corresponde a um conjunto de fatores que provoca o problema; uma série de erros que o varejista comete”, explica o CEO da startup Minus, André Luiz Catuyama Ajita.

DESAFIO 

A startup, fundada em Maringá (PR), começou no mercado lançando um produto voltado para o consumidor final, em 2016. O objetivo era o mesmo: vencer o desafio do desperdício. Porém, a solução era diferente. A Minus criou um site que divulgava onde se encontravam os produtos que estavam para vencer.

“Normalmente, você só vê esses produtos em um local separado, nas próprias lojas. Nesse site, as pessoas passaram a descobrir onde estavam esses itens com desconto. Quem estava organizando uma festa, por exemplo, saberia com antecedência onde comprar cervejas e outras bebidas com desconto”, conta Ajita, engenheiro de produção.

“O varejo ainda controla o problema do desperdício de produtos de forma pouco tecnológica. O nosso primeiro desafio consistiu em acelerar esse processo de captação de informação, o que fizemos através de um aplicativo usado nas próprias lojas” 

André Luiz Catuyama Ajita, CEO da startup Minus 

O fator pandemia acabou mudando tudo. Com a restrição na circulação de pessoas, os sócios da startup paranaense acabaram mudando o foco para o B2B. Naquele mesmo período, no primeiro semestre de 2020, surgiu, então, a oportunidade de superar um desafio em nível corporativo.

Uma empresa do Paraná procurou a Minus em busca de uma solução para o elevado desperdício decorrente dos produtos vencidos. Os desenvolvedores da Minus criaram, então, um sistema de gestão de qualidade baseado em tecnologia.

SOLUÇÃO 

A primeira versão da ferramenta corporativa foi lançada em maio de 2020. O varejo enfrenta o problema dos produtos vencidos, sim, porém, na maioria dos casos ainda de forma manual. A maior parte dos mercados direciona um funcionário, com caneta e papel na mão, para as prateleiras, a fim de identificar os itens próximos do vencimento. Em seguida, as anotações devem ser digitalizadas no Excel.

“O varejo hoje controla o problema de forma pouco tecnológica. O nosso primeiro desafio consistiu em acelerar esse processo de captação de informação, o que fizemos através de um aplicativo usado nas próprias lojas”, detalha o CEO da startup.

O software pode ser utilizado, inclusive, em um smartphone ou no coletor de dados que a empresa já utiliza. Os dados coletados pelo varejista, dados de venda, estoque e perda, são analisados pelo aplicativo através de modelos estatísticos. No final do processo, uma análise completa é entregue ao cliente, com uma relação dos itens com maior risco de vencimento próximo. O aviso de vencimento não pode ser entregue de um dia para o outro. O sistema trabalha com avisos cujos prazos se situam de 30 a 45 dias. Dessa forma, o varejista pode se organizar a tempo a fim de traçar a melhor estratégia em seu ponto de venda para evitar desperdícios.

A mudança de método de manual para tecnológico permite, inclusive, que os funcionários se dediquem mais ao processo de venda em si.

“Também estamos ajudando o varejista a atingir uma maior produtividade. Os funcionários podem exercer outra função”, esclarece o empresário paranaense.

Hoje, a Minus reúne três grandes redes varejistas como clientes do sistema de gestão de qualidade, com um total de 104 lojas. Duas redes são do Paraná (Maringá e Londrina) e uma fica em São Paulo (Guarulhos).

RESULTADOS 

– O tempo dedicado ao processo de identificação dos itens vencidos foi reduzido em 40%;

– As lojas de redes de supermercado reduziram em média 36% do montante financeiro do índice de perdas decorrentes de produtos vencidos;

– Já houve casos de redução de 50% das perdas decorrentes de itens vencidos;

– De uma média de 10 mil reais perdidos com desperdício de itens vencidos, a ferramenta da Minus ajudou a reduzir entre R$ 3 e R$ 4 mil.